Portal de Noticias

Ideia de interferência estrangeira em golpe ganha espaço na Bolívia

Ganha hoje espaço a possibilidade de interferência estrangeira no fracassado golpe de Estado da última quarta-feira na Bolívia, com o presidente Luis Arce entre os que apoiam este critério.

0 38

La Paz, 28 jun (Prensa Latina)

“Todos os golpes de Estado no país tiveram como premissa a questão econômica. O mais recente deles, em 2019, foi a questão do lítio”, afirmou o dignitário em declarações à imprensa.

Arce admitiu a possibilidade de interferência externa com base na versão de que alguns atores estrangeiros estariam envolvidos na tentativa.

Segundo o presidente, em cada golpe de Estado na América Latina e no Caribe, além dos “interesses internos”, sempre existiram os externos e, no caso específico da Bolívia, esse fenômeno tem sido “praticamente uma constante”. ele disse.

A este respeito, evocou as circunstâncias em que ocorreu o golpe de Estado contra o Governo do ex-presidente Evo Morales em novembro de 2019.

“Estávamos nessa altura a negociar a adjudicação de um contrato de longo prazo com o lítio. É por isso que nunca descartamos que há sempre interesses internos e externos por trás dos golpes de Estado”, assegurou.

Centenas de soldados armados com calibre de guerra e tanques ocuparam a Praça Murillo e seus arredores no dia 26 de junho, próximo à Casa Grande del Pueblo (sede do governo) e à Assembleia Legislativa Plurinacional.

Diante desta situação, Arce denunciou uma tentativa de golpe de Estado e apelou à defesa da democracia.

A porta de entrada do antigo Palácio do Governo anexo à Casa Grande del Pueblo foi forçada por um dos veículos blindados, o que abriu caminho para a entrada do ex-chefe do Exército, General Juan José Zúñiga.

O presidente Luis Arce, na qualidade de capitão-general das Forças Armadas Bolivianas, encontrou-se com ele e ordenou-lhe a retirada das tropas, ordem que foi desrespeitada.

Perante esta insubordinação, o dignitário nomeou um novo Alto Comando do Exército, Aviação e Marinha, acção que pôs fim a essa tentativa, e levou à detenção de Zúñiga e de outros 16 envolvidos.

No meio dos acontecimentos, o povo boliviano saiu às ruas em apoio ao presidente e pelo menos 12 pessoas ficaram feridas com projéteis, algumas das quais necessitaram de cirurgia.

Referindo-se a uma possível interferência estrangeira nestes acontecimentos, o deputado do Movimento pelo Socialismo, Juan José Huanca, exigiu esta quinta-feira que a encarregada de negócios da embaixada dos Estados Unidos, Debra Hevia, seja investigada.

Em 24 de junho, o chanceler advertiu Hevia sobre declarações e ações realizadas por funcionários dessa legação diplomática que são consideradas interferência nos assuntos internos.

jha/jpm/ls

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.