Portal de Noticias

Geometria e arte cinética compõem retrospectiva de Sérvulo Esmeraldo

Mostra no CCBB é gratuita e vai até o dia 20 de novembro.

0 91

Por Daniel Mello – Repórter da Agência Brasil – São Paulo

 

Desde a observação das formas da natureza até os trabalhos que se movem a partir do contato do corpo do espectador. geometrias que começaram a ganhar forma no interior do Ceará, ganharam consistência em São Paulo e chegaram a maturidade na França. Os quase 70 anos de carreira do artista Sérvulo Esmeraldo recebem uma exposição panorâmica que abre nesta quarta-feira (30), no Centro Cultural Banco do Brasil, no centro da capital paulista.

A mostra traz xilogravuras que Esmeraldo produziu ainda no início da carreira, na década de 1950, baseadas em elementos como folhas e conchas. Os trabalhos mais recentes têm data próxima dos anos finais de vida do artista, que morreu em 2017. São esculturas em metal, com formas geométricas e cores bem definidas. Em algumas, as sombras também fazem parte da composição. “Você tem horas, quando você está a uma certa distância, você nem consegue perceber muito bem o que é o objeto e o que é a sombra. É um caminhar de linhas que dialogam”, comenta Marcos Lontra, que assina a curadoria ao lado de Dodora Guimarães Esmeraldo, viúva do artista.

São Paulo (SP), 29/08/2023 - A curadora Dodora Guimarães Esmeraldo fala sobre as 110 obras da exposição SÉRVULO ESMERALDO: LINHA E LUZ no Centro Cultural Banco do Brasil - CCBB-SP. Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil
Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Sombras e movimento

É esse tipo de pensamento estético que, segundo o curador, o artista trabalhou em grandes obras elaboradas para marcar o espaço público, como o Interceptor Oceânico, na Avenida Beira Mar, em Fortaleza.

“Quando ele começa a fazer esculturas públicas, isso passa a ter um valor maior ainda, porque a própria luz do sol movimenta a sombra. E ao movimentar essa sombra, cada momento do dia é uma escultura diferente. Então, ele começa a criar essas interferências na paisagem”, detalha Lontra.

A passagem de mais de 20 anos pela França, que teve início com uma bolsa de estudos oferecida por aquele país, também faz parte da mostra. Foi nessa etapa que Esmeraldo se tornou um dos pioneiros da arte cinética, em que os trabalhos do artista produzem movimento a partir do contato com o corpo do espectador, pela transmissão de energia eletroestática.

Nesses trabalhos, em que Esmeraldo se conecta com outros artistas de seu tempo, como os também latino-americanos Jesus Raphael Soto e Cruz-Diez, o curador vê um tanto daquele menino observador, que passou a infância no interior do Cariri. “Quando ele era criança, os ciganos iam para os alambiques concertar os tachos de cobre que faziam rapadura e deixavam aqueles fragmentos de solda. Ele, com isso, criava pequenas engenhocas e colocava nas canaletas de irrigação. Então, tinha essa coisa de como ele observava o movimento. Aí, começa a aparecer a ideia do cinético, do movimento”, relaciona o curador a respeito dos trabalhos da série Excitáveis.

São Paulo (SP), 29/08/2023 - Exposição SÉRVULO ESMERALDO: LINHA E LUZ, com curadoria de Marcus de Lontra Costa e Dodora Guimarães Esmeraldo, no Centro Cultural Banco do Brasil - CCBB-SP. Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil
Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Retorno às linhas

No retorno ao Brasil, no final da década de 1970, o artista teve que se adaptar a um ritmo diferente da vida nos grandes centros. “Quando ele volta para o Ceará, não conseguia mais trabalhar com acrílico, porque não tinha. Ele não podia trabalhar com mármore. A única mina de mármore que tinha ali perto, no Rio Grande do Norte, foi inundada para construir um açude. Então, ele se concentra no metal. Aí, no metal ele se reinventa, começa a trabalhar com essas linhas e com essas cores. E isso são alusões ao que ele fazia no início, no Crato”, conta Lontra.

São Paulo (SP), 29/08/2023 - Exposição SÉRVULO ESMERALDO: LINHA E LUZ, com curadoria de Marcus de Lontra Costa e Dodora Guimarães Esmeraldo, no Centro Cultural Banco do Brasil - CCBB-SP. Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil
Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

As esculturas em acrílico são outra marca do período que Sérvulo passou na Europa, quando se aventurava por materiais ainda pouco usados pelas artes. Apesar das diferenças que aparecem ao longo da trajetória do artista, o curador afirma que nunca há um abandono completo do que Esmeraldo fazia anteriormente, mas, sim, um acúmulo. E atravessando todo o trabalho, Lontra vê o olhar do menino que se deslumbrava com as formas e movimentos do mundo.

“Antes de ser um artista da geometria, ele é um artista da observação, da pesquisa e da essência”, resume.

Visitação

A exposição Linha e Luz, com 110 obras de Sérvulo Esmeraldo, vai até o dia 20 de novembro. O CCBB abre todos os dias, exceto terças-feiras, das 9h às 20h. A entrada é gratuita.

Edição: Aline Leal

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.