Portal de Noticias

Cessar-fogo em Gaza, exigência urgente e sem resposta da ONU

As reivindicações do mais alto nível para exigir a entrada de mais ajuda humanitária e a cessação para o fogo em Gaza colidem hoje com a ausência de uma resolução vinculativa emitida pela maior organização do planeta.

0 126

Por Elizabeth Borrego Rodriguez Nações Unidas, 23 fev (Prensa Latina)

Enquanto a Assembleia Geral aguarda a reunião para discutir o veto dos Estados Unidos a outro projeto de resolução que procurava pôr fim imediato às hostilidades, os líderes de 19 agências das Nações Unidas e organizações parceiras expressaram frustração com o contexto atual.

Uma declaração divulgada pelo Comité Permanente Interinstitucional alertou para a proliferação de doenças e a aproximação da fome, enquanto a água é escassa e as infra-estruturas básicas foram dizimadas.

“A produção de alimentos parou. Os hospitais tornaram-se campos de batalha. Um milhão de crianças enfrentam traumas diários”, dizia o texto.

Na quinta-feira, o secretário-geral dos Médicos Sem Borders (MSF), Christopher Lockyear, descreveu a ofensiva de Israel como um conflito contra toda a população do enclave, uma punição colectiva sem regras: uma guerra a qualquer custo.

Ao informar o Conselho de Segurança sobre o trabalho humanitário daquela organização, Lockyear insistiu na necessidade de “um cessar-fogo sustentado, não um período temporário de calma”, em rejeição à proposta apresentada pela representação dos Estados Unidos e que será debatida em breve.

Os habitantes de Gaza eles precisam de um cessar-fogo não quando viável, mas agora. Qualquer coisa menos do que isso é negligência grave, disse ele.

Por sua vez, o coordenador especial da ONU pela paz no Médio Oriente, Tor Wennesland, lamentou a falta de um horizonte político para a região enquanto as condições humanitárias na Faixa se deterioram.

A capacidade da ONU A prestação de assistência depende de movimentos humanitários coordenados, de uma resolução eficaz de conflitos com as partes e de aprovações israelitas para equipamentos essenciais de comunicações e veículos blindados, alertou o enviado.

“Mantenha Gaza numa situação de cascata não só priva uma população desesperada de apoio vital, mas também gera um caos maior que impede ainda mais a prestação humanitária”, acrescentou.

O contexto é especialmente complexo devido à deterioração das operações do principal ator humanitário no campo: a Agência da ONU para os Refugiados Palestinianos (UNRWA).

Uma carta enviada pelo seu comissário-geral, Philippe Lazzarini, ao presidente da Assembleia Geral, Dennis Francis, confirmou que a entidade atingiu um ponto de ruptura devido aos apelos israelitas à sua abolição e ao subsequente congelamento de fundos “quando mais precisa”.

A capacidade da agência de cumprir o seu mandato “está agora seriamente ameaçada” enquanto em pouco mais de quatro meses, em Gaza “mais crianças, mais jornalistas, mais pessoal médico e mais funcionários da ONU foram relatados mais assassinados do que em qualquer outro lugar do mundo durante um conflito”, enfatizava o texto.

Lazzarini pediu ao fórum apoio político para evitar que a UNRWA fosse varrida de uma vez, uma decisão fundamental face à paralisia do Conselho de Segurança para exigir a cessação para o fogo.

O alto comissário instou a Assembleia a fornecer o apoio político necessário para sustentar a Agência ou para criar um caminho para “uma transição imediata para uma solução política há muito esperada que possa trazer a paz aos palestinianos e aos israelitas”.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.