Portal de Noticias

China decepcionada com veto dos EUA à questão palestina na ONU

Reiterou a posição do gigante asiático a favor da justiça e da consciência e reafirmou o seu firme apoio à Palestina para se tornar membro oficial das Nações Unidas.

0 55

A China reiterou hoje a sua decepção após o veto dos Estados Unidos à adesão plena da Palestina à ONU e enfatizou que o desejo geral da comunidade internacional não pode ser ignorado.

O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Lin Jian, sublinhou que, apesar deste resultado, as exigências urgentes de um cessar-fogo imediato por parte da população da região e as necessidades básicas de ajuda humanitária para os civis em Gaza não podem ser ignoradas.

“Os sonhos do povo palestino durante décadas foram brutalmente destruídos, e a história e os povos do mundo se lembrarão desta retirada dos Estados Unidos”, disse ele.

O porta-voz apelou à implementação das resoluções da Assembleia Geral e do Conselho de Segurança das Nações Unidas, respeitando plenamente a vontade do povo palestiniano e regressando ao plano de Dois Estados para estabelecer em breve um Estado Palestiniano independente.

Na opinião de Beijing, esta é a única forma de alcançar a coexistência pacífica entre os dois países e no Oriente Médio em geral.

Reiterou a posição do gigante asiático a favor da justiça e da consciência e reafirmou o seu firme apoio à Palestina para se tornar membro oficial das Nações Unidas.

“Continuaremos a trabalhar com todas as partes relevantes para fazer esforços incessantes para acabar rapidamente com o incêndio em Gaza, aliviar a crise humanitária e promover a implementação do Plano de Dois Estados”, sublinhou.

Desde 2012, a Palestina mantém o seu estatuto de Estado observador concedido pela Assembleia Geral das Nações Unidas, condição que lhe permite trabalhar no fórum, mas com limitações.

Atualmente, apenas esse país e o Vaticano têm assentos de observadores no fórum, mas o mais recente surto de hostilidades reabriu os debates sobre a necessidade de especificar o estatuto dos territórios ocupados, uma dívida pendente da organização desde a fundação de Israel.

Em 1947, a chamada resolução de partilha estipulou a criação de um “Estado judeu” e de um “Estado árabe” na Palestina, com Jerusalém como corpus separatum sujeito a um regime internacional especial.

Apesar das décadas que se passaram, dos dois estados previstos na referida resolução, apenas um foi criado até agora, apesar do reconhecimento da Palestina por 140 países. (PL)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.